.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. 11 de Fevereiro - Dois an...

. SEMANA DA VIDA

. ADAV-VISEU … UM NOVO FÔLE...

. Feliz 2008... em favor da...

. Vidas abortadas legalment...

. MADELEINE

. 2007, Maio, 6 - Dia da Mã...

. Vamos caminhar pela vida!

. Dia Internacional da Mulh...

. A REN e os resultados do ...

.arquivos

. Fevereiro 2009

. Maio 2008

. Janeiro 2008

. Agosto 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

O seu nome / e-mail:
Comentários / Perguntas:

Como encontrou este blog?
Gostou deste blog?
Sim Não
meet singles contador usuarios online Salud sites

.Consigo, já são...

Free Cell Phones
Las Vegas Condos
blogs SAPO

.links

Sábado, 30 de Dezembro de 2006

Surgem Movimentos Cívicos pelo País!

Distrito

Grupo Cívico

Viana do Castelo

Não tendo Movimento no distrito, os cidadãos dão apoio aos do Norte e Nacional

Braga

Minho Com Vida

Vila Real

Vida, Sempre!

Bragança

Nordeste pela Vida

Porto

Norte Pela Vida

Lamego

Escolhe a Vida

Aveiro

Liberalização do Aborto? Não!

Viseu

Não tendo Movimento no distrito, os cidadãos dão apoio aos do Cento, Norte e Nacional com coordenação da ADAV-Viseu

Guarda

Guard' a Vida

Castelo-Branco

Pela Vida-Sempre!

Coimbra

Aborto a pedido? Não!

Leiria

Não tendo Movimento no distrito, os cidadãos dão apoio aos do Centro e Nacional (ADAV-Leiria)

Santarém

Mais aborto não!

Santarém

Ribatejo pela Vida

Lisboa

Plataforma Não Obrigada

Lisboa

Juntos pela Vida

Lisboa

Diz que Não à Discriminação

Lisboa

Diz que Não

Setúbal

Vivahavida

Évora

Alentejo pelo Não

Beja

Alentejo pelo Não

Faro

Algarve pela Vida

Madeira

Não tendo Movimento no distrito/região, os cidadãos dão apoio aos do Sul e Nacional

Açores

Açores pela Vida

Notas:

Os Movimentos destacados já reúnem condições de constituição.

publicado por adavviseu às 17:32

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

...

http://www.adavviseu.pt.vu 

Tlm: 93 113 90 15

Conferência

“Aborto: falar claro!”

 -Pelo Exmo. Dr. Ant. M.ª Pinheiro Torres -

 

12 de Janeiro de 2007

21:00 horas

 

Auditório “Engrácia Carrilho”

Universidade Católica

- Viseu -

 

publicado por adavviseu às 12:23

link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2006

Plataforma "NÃO OBRIGADA"

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

Já começou a contagem decrescente para o REFERENDO! No dia 11 de Fevereiro, os portugueses irão ser chamados a dizer o que pensam sobre a vida! Todos podem e devem participar dizendo SIM ou NÃO à liberalização do aborto até às 10 semanas.

 

A ADAV-Viseu vai envidar esforços no sentido de esclarecer as pessoas, promovendo ou apoiando acções.

 

Apelamos desde já a uma votação maciça no "Não", estando convictos que só deste modo, inquestionavelmente, se pode defender o Bem Maior que é a Vida!

 

Esperamos que todos aqueles que sentem a Vida como um Dom e uma Tarefa se declarem disponíveis para colaborar com a ADAV-Viseu em todos os eventos que venham a ser promovidos a favor da vida e pelo “Não” no Referendo.

Estão já a surgir em várias zonas do nosso país diversos movimentos cívicos para assim, mais facilmente se poder esclarecer quantos ainda têm dúvidas sobre este assunto – o aborto!

A nível nacional e com o objectivo de congregar todos os movimentos cívicos surgiu já a Plataforma “Não, Obrigada!”

 

Não podemos ficar indiferentes às tentativas políticas visando o apoio à liberalização e financiamento do aborto, a pedido, esquecendo as medidas efectivas de apoio à maternidade e paternidade, permitindo assim que mulheres sintam como única resposta a uma gravidez indesejada a morte dum ser humano que deseja protecção.                                                                                                                

publicado por adavviseu às 00:23

link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Segunda-feira, 4 de Dezembro de 2006

Aborto - A Lei Actual



A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164º, alínea d) 168º nº1 alínea c), e 169º, nº 2 da Constituição, o seguinte:

ARTIGO 1º
Os artigos 139º,140º, e 141º do Código Penal passam a ser a seguinte redacção:

ARTIGO 139º
Aborto

1.- Quem, por qualquer meio e sem consentimento da mulher grávida, a fizer abortar será punido com prisão de 2 a 8 anos.
2.- Quem, por qualquer meio e com consentimento da mulher grávida, a fizer abortar, fora dos casos previstos no artigo seguinte será punido com prisão até 3 anos.
3.- Na mesma pena incorre a mulher grávida que fora dos casos previsto no artigo seguinte, der consentimento ao aborto causado por terceiro, ou que, por facto próprio ou de outrem, se fizer abortar.
4.- se o aborto previsto nos nº 2 e 3 for praticado para evitar a reprovação social da mulher, ou por motivo que diminua sensivelmente a culpa do agente a pena aplicável não será superior a 1 ano.
5.- Quando do aborto efectuado nos termos dos números anteriores ou dos meios empregados resultar a morte ou uma grave lesão para o corpo ou para a saúde física ou psíquica da mulher grávida, que aquele que a fez abortar poderia ter previsto como consequência necessária da sua conduta, o máximo da pena aplicável a este será aumentado de um terço.
6.- A agravação previsto no número anterior e aplicável ao agente que se dedicar habitualmente a prática ilícita do aborto ou que realizar aborto ilícito com intenção lucrativa.

ARTIGO 140º
Exclusão da ilicitude do aborto

1.- Não e punível o aborto efectuado por médico, ou sob a sua direcção, em estabelecimento de saúde oficial ou oficialmente reconhecido e com o consentimento da mulher grávida quando, segundo o estado dos conhecimentos e da experiência da medicina:

a) Constitua o único meio de remover perigo de morte ou de grave e irreversível lesão para o compor ou para a saúde física ou psíquica da mulher grávida;
b) Se mostre indicado para evitar perigo de morte ou de grave e duradoura lesão para o corpo ou para a saúde física ou psíquica da mulher grávida e seja realizado nas primeiras 12 semanas de gravidez;
c) Haja seguros motivos para prever que o nascituro venha a sofrer de forma incurável, de grave doença ou mal formação, e seja realizado nas primeiras 16 semanas de gravidez;
d) Haja sérios indícios de que a gravidez resultou de violação da mulher, e seja realizado nas primeiras 12 semanas de gravidez

2.- A verificação das circunstâncias que excluem a ilicitude do aborto deve ser certificada em atestado médico, escrito e assinado antes da intervenção por médico diferente daquele por quem ou sob cuja direcção, o aborto é realizado.
3.- A verificação da circunstância referida na alínea d) do nº 1 depende ainda da existência de participação criminal da violação.

ARTIGO 141º
(Consentimento)

1.-O consentimento da mulher grávida para a prática do aborto deve ser prestada de modo inequívoco, em documento por assinado ou assinado a seu rogo, nos termos da lei com a antecedência mínima de 3 dias relativamente á data da intervenção.
2.- Quando a efectivação do aborto revista de urgência designadamente nos casos previstos nas alíneas a) e b) do nº 1 do artigo anterior é dispensada a observância do prazo previsto no número anterior podendo igualmente dispensar-se o consentimento da mulher grávida se ela não estiver em condições normais de o prestar e for razoavelmente de presumir que em condições normais o prestaria, devendo em qualquer dos casos a menção de tais circunstâncias constar de atestado médico.
3.- No caso de a mulher grávida ser menos de 16 anos ou inimputável, o consentimento conforme os casos, deve ser prestado respectiva e sucessivamente pelo marido capaz não separado pelo representante legal, por ascendente ou descendente capaz e na sua falta, por quaisquer parentes da linha colateral.
4.- Na falta das pessoas referidas no número anterior e quando a efectivação do aborto se revista de urgência, deve o médico decidir en consciência em face da situação, socorrendo-se sempre que possível do parecer de a outro ou outros médicos, devendo em qualquer dos casos a menção de tais circunstâncias constar de atestado médico.

ARTIGO 2º
O médico que por negligência se não permitir, nem os obtiver posteriormente a uma intervenção para interrupção voluntária e lícita da gravidez conforme.:


Lei nº 90/97
De 30 de Julho

Altera os prazos de exclusão da ilicitude nos casos de interrupção voluntária da gravidez

A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164ª, alínea d), 168º nº1, alínea b) e 169ª, nº 3, da Constituição, o seguinte:

ARTIGO 1º
Alteração de prazos

O artigo 142º do Código Penal, com a redacçap que lhe foi introduzida pelo Decreto-Lei nª 48/95, de 15 de Março passa a ter a seguinte redacção:

ARTIGO 142º

(...)
  1.- -...............................................................
    a) ..................................................
    b) .................................................
    c) Houver seguros motivos para prever que os nascituro virá a sofrer de forma incurável, de doença grave ou malformação congénita, e for realizada nas primeiras 24 semanas de gravidez, comprovadas ecograficamente ou por outro meio adequado de acordo com as leges artis, excepcionando-se as situações de fetos inviáveis, caso em que a interrupção poderá ser praticada a todo o tempo;
    d) A gravidez tenha resultado de crime contra a liberdade e autodeterminação for realizada nas primeiras 16 semanas.

  2.- ..............................................................................
  3.- ............................................................................
     a)
     b)
  4.- .............................................................................

ARTIGO 2º
Providências organizativas e regulamentares

O Governo adoptará as providências organizativas e regulamentares necessárias á boa execução da legislação atinente á interrupção voluntária da gravidez, designadamente por forma a assegurar que do exercício do direito de objecção de consciência dos médicos e demais profissionais de saúde não resulte inviabilidade de cumprimento de prazos legais.

Aprovada em 26 de Junho de 1.997
O Presidente da Assembleia da República, António de Almeida Santos.
Promulgada em 17 de Julho de 1.997.
Publique-se
O Presidente da República, Jorge Sampaio.
Referendada em 18 de Julho de 1.997.
O Primeiro-ministro, António Manuel de Oliveira Guterres

 

publicado por adavviseu às 11:20

link do post | comentar | favorito

.subscrever feeds