.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. 11 de Fevereiro - Dois an...

. SEMANA DA VIDA

. ADAV-VISEU … UM NOVO FÔLE...

. Feliz 2008... em favor da...

. Vidas abortadas legalment...

. MADELEINE

. 2007, Maio, 6 - Dia da Mã...

. Vamos caminhar pela vida!

. Dia Internacional da Mulh...

. A REN e os resultados do ...

.arquivos

. Fevereiro 2009

. Maio 2008

. Janeiro 2008

. Agosto 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

O seu nome / e-mail:
Comentários / Perguntas:

Como encontrou este blog?
Gostou deste blog?
Sim Não
meet singles contador usuarios online Salud sites

.Consigo, já são...

Free Cell Phones
Las Vegas Condos
blogs SAPO

.links

Domingo, 29 de Outubro de 2006

Poema à Vida!

 

"Então...e a criança?"

 

 

A Vida é Dom de Deus, de ninguém mais!

Mas é zero p'rá distorcida mente,

que não hesita em matar um inocente,

cujo "crime" foi dar prazer aos pais.

 

Do uso e abuso dos prazeres sexuais,

és livre, mesmo tu, adolescente!

Engravidas? - Mata a Vida nascente,

livra-te dela, que não ouves seus ais!...

 

É isto que apregoa a Liberdade!

Coitadas das mulheres! Tenham piedade!

O que elas sofrem por terem da abortar!...

 

O que elas sofrem?! - Então...e a Criança

não é um Ser Humano, pleno de Esperança,

que ninguém tem direito de matar?...

 

Mariazinha

publicado por adavviseu às 22:20

link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

Mais uma conferência sobre a Vida!

A nossa Página Web 

Contacte-nos!

Tlm: 93 113 90 15

 

Conferência

“Aborto:

- falar claro!”

 Pelo Exmo. Dr.

Ant. M.ª Pinheiro Torres

 

12 de Janeiro de 2007

21:00 Horas

 

Auditório

“Eng.º Engrácia Carrilho”

Universidade Católica

- Viseu -

 ==============================================================

 

publicado por adavviseu às 21:40

link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 23 de Outubro de 2006

Depois... Imaginando um apelo!

Mamã, não tinha que ser!

««««««««««««««««««««««««« 

Mamã

Não tinha que ser

Porque eu

Indesejado

Doente

Ou deformado

Queria tanto viver

 

Com teu amor

Tua luz

Sem fome

Do teu carinho

E de mão dada

A Jesus

Tão feliz

Eu ia ser

 

Perdoo-te

Mamã

Mas não…

Não tinha que ser!

 

Nita Ferreira

publicado por adavviseu às 22:03

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

"IVG" vs ABORTO - Parte III

###################################

INTERRUPÇÃO VOLUNTÁRIA

DA GRAVIDEZ vs ABORTO

 

Muito mais se poderia dizer acerca desta temática, penso contudo que, com as reflexões que aqui fiz, podemos chegar a algumas conclusões:

 

1ª - O problema do aborto e todo o drama que lhe está subjacente, não fica resolvido nem de perto nem de longe, com a alteração da lei ou quer se mantenha a actual, se concomitantemente não forem tomadas medidas a montante a nível de planeamento familiar, educação sexual, etc. Devemos apostar na prevenção e não na profilaxia;

2ª - A despenalização da IVG até às dez semanas, nem é restritiva nem é revolucionária, é assim mesmo, porque o efeito de ser às dez ou doze semanas é rigorosamente o mesmo, não há mais vida para além da IVG ou estou enganado! Isto é o mesmo que dizer a um réu condenado à pena de morte e vê a execução da mesma ser antecipada por duas ou três semanas, apenas lhe poderão reduzir o tempo de angústia, o efeito é o mesmo, o termo da sua vida;

3ª - A Europa como a conhecemos hoje, está descaracterizada e desprovida de alguns valores que não só devem nortear qualquer civilização, como são os pilares da mesma, vive-se uma profunda crise social, ética, moral, etc., como já não se via há muitas décadas.

Fomos um dos primeiros países a abolir a pena de morte e não foi por causa disso que passámos a ser um dos países mais desenvolvidos do mundo; não vai ser pelo facto de alterarmos a lei existente quanto à IVG, que deixamos de ser um dos países menos desenvolvidos e “atrasados” da Europa.

Aliás se perguntarmos a um antropólogo, sociólogo, economista ou politico o que eles entendem por desenvolvimento, obteríamos de certeza as respostas mais díspares possíveis.

O nosso problema é estrutural, nós até temos boas pessoas e boas leis, só que ao longo dos quase 950 anos que levamos como nação/estado de reconhecido direito, nunca fizemos as melhores opções, salvo em raras excepções e nessa altura damos mostra que somos tão bons como os outros.

 

Falar claro sobre esta problemática, sem demagogias de parte a parte, é o que se pretende, sendo certo que aconteça o que acontecer, terá que haver consequências, sob pena de, daqui a mais oito ou dez anos estarmos a falar do mesmo.

 

PS – A Sr.ª Deputada Odete Santos, disse numa intervenção que teve na AR acerca deste assunto, que mais uma vez o problema ia ser discutido na praça pública. Convém os eleitos não dizerem mal dos que os elegem ou passarem atestados de menoridade, pois a legitimidade que lhes é conferida não lhes dá o direito de serem indelicados para quem os “sustenta” no poder, alguns quase de forma eterna. Contradições da democracia. Como alguém dizia “O poder de Roma não está no mármore do Senado, mas na areia do Coliseu”.

 

 

J. Luís Antunes

 

publicado por adavviseu às 19:39

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

"IVG" vs ABORTO - Parte II

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

INTERRUPÇÃO VOLUNTÁRIA

DA GRAVIDEZ vs ABORTO

 

Na sequência do exposto na "Parte I", vamos agora a questões substantivas:

 

1º - Se existem por ano, milhares de abortos clandestinos em Portugal – eu pessoalmente não sei e tenho dúvidas que alguém saiba a amplitude desta tragédia – quantos serão feitos até às dez semanas e quantos serão feitos a partir das dez semanas? Eu aqui não tenho dúvidas em dizer que a maior parte dos abortos são feitos a partir das dez semanas;

2º - As mulheres que por “incúria”, vergonha ou até falta de “sensibilidade” nestas coisas – ainda esta semana uma adolescente com doze anos e com um filho ao colo de alguns meses, dizia que só deu conta que estava grávida ao quinto mês – queiram praticar o aborto, onde o irão fazer? Nos estabelecimentos de saúde devidamente autorizados não o podem fazer porque é crime, vão na mesma milhares de mulheres ter que o fazer no estrangeiro ou clandestinamente em Portugal.

Será que o Estado está preparado para levar a tribunal todos os casos de aborto clandestino e aplicar de forma “implacável” a lei, com o 1º ministro defende? É que, se assim for, o problema do aborto terá em termos sociais uma amplitude maior, pois haverá mais julgamentos do que aqueles que se efectuam com a actual lei em vigor (não se aplica). Os casos que têm vindo a tribunal comparados com os milhares de abortos clandestinos que os defensores da alteração da lei dizem haver, são uma gota de água no oceano.

Como é sabido não existe nenhuma mulher que fosse levada a tribunal por prática de aborto clandestino que esteja a cumprir qualquer pena, o que não vai acontecer de certeza absoluta (eu tenho muitas dúvidas) se a lei for alterada, isto claro se as instituições funcionarem e se a lei for aplicada;

3º - Com esta lei, dizem os defensores do sim, apenas se pretende a despenalização e nunca a liberalização do aborto. Reparem que na pergunta fala-se em IVG porque não pode ser aborto, vamos perdoar este lapso, porque reconheçamos a fronteira entre a IVG e o aborto é mais ténue que a espessura da placenta.

Eu aqui também fico estupefacto, embora possa acontecer que seja um dos muitos ignorantes que abundam neste país. Se a mulher até às dez semanas e independentemente daquilo que estiver em causa, pode, se quiser, optar pela IVG, não se considera isto liberalizar, então o que é?!;

4º - Até as dez semanas não existe vida, dizem os defensores da alteração da lei.

Então eu pergunto, quando é que começa a vida? Ao 71º; 100º; 150º, etc., etc. Quantas vidas têm continuidade, se, se fizer a IVG até às dez semanas? Nenhuma, claro! Numa análise puramente filosófica e absurda, se todas as mulheres em idade de procriar, quando grávidas, fizessem IVG(s) até às dez semanas, durante quatro ou cinco décadas, o que acontecia à espécie humana? Não será muito fácil chegar à conclusão que desapareceria.

Também dizem os defensores do sim que apesar de tudo a lei a aprovar é uma lei moderada, porque em quase todos os países europeus o aborto é feito até às doze semanas. Então vamos alterar uma lei para continuarmos a ser um dos países mais “atrasados” da Europa? Como sempre esta casta de políticos deixa sempre os portugueses em “cima do muro”, como eu tenho penas deles, alguns são tão subservientes que até metem dó;

5º - A IVG é sempre feita pela livre opção da mulher.

Como é sabido no acto de engravidar, está subjacente uma relação heterossexual, onde o homem tem um papel – em minha opinião – tão importante como a mulher. Se isso assim é, porque caber somente à mulher a decisão de optar ou não pela IVG? É que esta problemática trás problemas colaterais a saber:

Se o companheiro quer que o filho nasça e a companheira não quer ir para a frente com a gravidez, ele nunca vai ser pai, sendo-lhe negado legalmente esse direito. Se pelo contrário o companheiro quiser que a companheira interrompa a gravidez e ela não o faz, porque quer ter esse filho, com que legitimidade o companheiro vai ter que assumir a condição de paternidade?

Nestas coisas temos que ser realistas: se a opção da IVG é sempre e exclusivamente feita por opção livre da mulher, se ela tem direito a interromper uma vida, que é fruto dos dois, pondo termo à sua função de mãe, o companheiro se não quer que o filho fruto dessa relação nasça, não tem direito a assumir a sua condição de pai, só porque a companheira foi consequente com uma gravidez que ele queria que ela interrompesse.

Não queiramos mudar o paradigma, quando o que se pretende, com a alteração da lei, é acabar com ele;

6º - Até às dez semanas o feto é desprovido de personalidade jurídica.

 

Vamos ao direito sucessório e façamos a análise desta situação simples, que não é tão pouco frequente como isso:

 

Imagine-se que uma mulher grávida de seis, sete, oito, etc., semanas, perde o marido, se ela levar a gravidez até ao fim, o filho vai ou não vai quinhoar na herança do marido/pai de forma igual aos restantes filhos/irmãos, se os tiver.

 

J. Luís Antunes

publicado por adavviseu às 19:29

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

"IVG" vs ABORTO - Parte I

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

INTERRUPÇÃO VOLUNTÁRIA

DA GRAVIDEZ vs ABORTO

 

Com a proposta a referendo levada a plenário pelo grupo parlamentar do Partido Socialista, em 19 de Outubro próximo passado e com a sua aprovação por larga maioria dos deputados, o problema do referendo à IVG vs Aborto, entrou na ordem do dia e cá ficará até Fevereiro/Março do próximo ano.

O que está em causa no referendo à IVG vs Aborto:

 

Que a mulher até às dez semanas pode optar pela IVG, desde que para tal o faça em estabelecimento de saúde devidamente autorizado.

 

Vamos à questão semântica do problema:

 

1º - Penso que ela apenas se põe no plano jurídico, pois como é sabido no nosso sistema jurídico-constitucional o aborto é sempre crime e como tal a pergunta nunca poderia conter a palavra aborto, pois seria chumbada no Tribunal Constitucional. Foi neste contexto que de forma ardilosa o CDS/PP instigou o PS a incluir na pergunta não IVG mas aborto, e sendo assim votaria a favor da proposta, sabendo de antemão que o TC chumbaria a pergunta;

2º - Os defensores da manutenção da actual lei, em minha opinião muito bem, dizem que em qualquer situação de tempo ou lugar o que está em causa é o aborto e não IVG; os defensores da alteração da lei até às dez semanas = 70 dias de gestação consideram que é IVG, a partir das dez semanas é aborto e como tal é considerado crime e as pessoas intervenientes no acto devem ser punidas;

Os defensores da alteração da lei, consideram como IVG se o acto for praticado até às dez semanas em estabelecimento de saúde devidamente autorizado, consideram aborto se o mesmo acto, embora praticado até às dez semanas, for feito de forma clandestina. Um pouco surrealista, não acha?!

J. Luís Antunes

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»««««««««««««««««««««««««««««««»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

publicado por adavviseu às 19:22

link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 18 de Outubro de 2006

Abortar, à vontade, é ser moderno?

 

"Cresce a possibilidade de termos um novo referendo sobre a liberalização do aborto. A discussão no Parlamento está agendada e os jornais há muito ateiam o tema. Tudo indica que o poder político nos vai perguntar se mudámos de opinião desde 1998.

O aspecto mais chocante desta reedição é, sem dúvida, o momento escolhido. Hoje, ao contrário de há oito anos, o País vive uma crise grave, com estagnação económica, alto desemprego, fortes carências e contestações em múltiplos sectores. Iniciar nestas condições um debate sobre uma questão tão controversa e dolorosa parece loucura total.

Não é certamente por sérias razões políticas, sociais e de interesse nacional que o referendo vai ser marcado. Se tivesse sido imposto de fora, diríamos tratar-se de sabotagem inspirada por potências inimigas. Que o próprio Governo da República lance o processo é inacreditável.

Uma irresponsabilidade tão flagrante denuncia a presença do único elemento que pode determinar tal cegueira, o preconceito ideológico. Isso aliás é evidente nos argumentos apresentados. Os dois lados em debate esgrimem as suas razões, mas só um deles invoca o testemunho do progresso. Segundo os proponentes, uma das principais razões para mudarmos a nossa lei é a sua desactualização. Ouve-se com frequência dizer que esta nossa legislação é obsoleta, ultrapassada, a "mais atrasada da Europa". Abortar à vontade parece ser moderno.

É difícil imaginar como é que o tempo entra numa questão tão básica e perene como esta. O aborto, como o terrorismo ou o crime, não melhora com o desenvolvimento, flutua com a moralidade.

Mas as marés ideológicas nunca seguem a lógica.

Há 30 anos, os defensores da economia colectivizada e planificada também se consideravam progressistas e avançados. Propor a ditadura do proletariado era então actual e dinâmico, enquanto a liberdade de mercado se mostrava antiquada e conservadora. Essa maré passou, e sabemos agora que a antevisão era não só um pedantismo intelectual insuportável mas um criminoso atentado contra a civilização e o bom senso. Os países que caíram na armadilha foram arrastados para desastres económicos de que só dificilmente ainda recuperam, enquanto as gerações seduzidas por tais ideologias se perderam debaixo dos escombros da sua tolice.

A maré mudou e agora o mesmo tipo de raciocínio passou dos inimigos da liberdade económica para os que atacam a família e a vida (que aliás são, em geral, os mesmos). Com uma diferença fundamental. De facto, o sistema colectivista tinha à partida hipóteses teóricas de funcionar. As dificuldades de implantação revelaram-se insustentáveis, mas ao nível da concepção está demonstrada a equivalência potencial de resultados entre economia dirigida e descentralização mercantil. Pelo seu lado, a liberalização do aborto não tem nenhuma hipótese de futuro. Na dinâmica das civilizações, a dissolução doméstica, promiscuidade sexual e obsessão venérea são sempre sinais de decadência, não de desenvolvimento. Aliás, a Europa vive já uma grave crise de valores e uma catástrofe demográfica, que lhe serão fatais na dinâmica global dos blocos. Precisamente porque a sua cegueira ideológica é avassaladora.

Um sinal disso vê-se nos jornais que, como sempre, são escravos das modas intelectuais. Aliás, uma das poucas vantagens do período de referendo é que os meios de comunicação social serão obrigados a abandonar a descarada defesa do aborto, para fingirem uma imparcialidade forçada. Esse foi um dos factores que permitiu há oito anos que, silenciada a "opinião pública oficial", se manifestasse a verdadeira atitude dos portugueses.

A maré vai mudar. Entretanto a alteração da lei tem um aliado perigoso: o comodismo burguês. Não faltam os que dizem coisas como: "Eles não nos largam com isto, o melhor é deixá-los mudar a lei para ver se se calam." Além de cobarde e cínico, trata-se de um erro clamoroso. Porque "eles" não se vão calar, tal como os revolucionários da geração anterior só pararam diante da catástrofe económica. Reforçados com uma eventual vitória que a cobardia lhes concedesse, iriam promover outras mudanças, menos sangrentas mas mais depravadas.

Portugal em 1998 conseguiu conter a principal maré ideológica do nosso tempo. Se o aborto tivesse sido liberalizado, sofreríamos agora a confusão de temas que países próximos, com leis mais "avançadas", sofrem. E viveríamos os terríveis estragos humanos que por lá se vivem."

João César das Neves,

Economista / Professor Universitário

 in DN 16/Out. /2006, publicado neste blog com autorização expressa do autor

 

publicado por adavviseu às 00:14

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 10 de Outubro de 2006

Um poema à vida gerada... mas interrompida.

Sem Nome

Era tão pequeno
Que ninguém o via
Dormia sereno,
Enquanto crescia.

Sem falar, pedia
- Porque era semente -
Para ver a luz do dia
Como toda a gente.

Não tinha usurpado
A sua morada
Não tinha pecado.
Não fizera nada.

Não soltou vagido.
Não teve amanhã.
Não ouviu: “Querido...”
Não disse: “Mamã...”

Não sentiu um beijo
Nunca andou ao colo.
Nunca teve o ensejo
De pisar o solo,

Pezito descalço,
Andar hesitante,
Sorrindo no encalço
Do abraço distante.

Não foi à escola
De sacola ao ombro,
Nem olhou estrelas
Com olhos de assombro.

Crianças iguais
À que ele seria,
Não brincou com elas;
Nem soube que havia.

Não roubou maçãs
Não ouviu os grilos
Não apanhou rãs
Nos charcos tranquilos.

Nunca teve um cão,
Vadio que fosse,
A lamber-lhe a mão,
À espera de doce.

Não soube que há rios
E ventos e espaços.
E Invernos e Estios,
E mares e sargaços;

E flores e poentes.
E peixes e feras
As hoje viventes
E as de antigas eras.

Não soube do mundo.
Não viu a magia!
Num breve segundo,
Foi neutralizado
Com toda a mestria:

Com as alvas batas,
Máscaras de Entrudo,
Técnicas exactas,
Mãos de especialistas
Negaram-lhe tudo

(O destino inteiro...)
Porque os abortistas
Nasceram primeiro!
»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»
Renato Azevedo
(Texto com supressões)
Poema sugerido por Maria
 
publicado por adavviseu às 23:43

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Aborto: - As perguntas que ninguém quer fazer!

Para ler e pensar, sem complexos.


1. Quem fica a ganhar, financeiramente, com a liberalização do aborto?


2. Se todos os supostos abortos clandestinos vierem a ser praticados em estabelecimentos do serviço nacional de saúde, quem os vai pagar?

 

3. E se são tão numerosos como se faz supor, o que acontecerá às listas de espera?

 

4. Estarão já em curso acordos, com clínicas abortivas, para assegurar esta prática?

 

5. Vai contribuir a liberalização do aborto para o aumento da taxa de natalidade, em Portugal, e respectivo equilíbrio da pirâmide demográfica (Com todas as implicações que isso terá na sustentabilidade da segurança social e afins)?

 

6. Se o aborto é um acto moderno, por que razão é que países como a Irlanda, um dos países europeus com maior índice de crescimento, insistem em considerá-lo como crime?

 

7. Se é moderno, enfim, por que razão é que, nos países em que está despenalizado, as mulheres são submetidas a um inquérito que as pretende dissuadir do acto? Um inquérito para controlar um acto moderno? (Contraditório, não?!)

 

8. Se o aborto for liberalizado, quem protegerá a mulher grávida da chantagem de companheiros e patrões que queiram obrigá-las a abortar?

 

9. Se o aborto já está despenalizado em caso de malformação grave, de conflito entre vida da mãe e do filho e de violação, o que se pretende, então, com a legalização do aborto em qualquer caso?

 

10. Por que razão é que, em todos os países em que o aborto foi despenalizado, os números de abortos (legais e clandestinos) não só não diminuíram como aumentaram?


11. Se o aborto é interrupção (voluntária da gravidez), quando é que esta pode ser retomada? Interrupção???? Voluntária????


12. Se o argumento para liberalizar o aborto é o de que a lei não é cumprida, porque não são extintas, em Portugal, todas as leis que não são cumpridas?

Que tal acabar com a obrigatoriedade de pagar impostos?! Tentem um referendo sobre esta hipótese. Sugere-se uma pergunta do género: concorda com a interrupção voluntária do pagamento de impostos, se praticada com o consentimento do contribuinte e após declaração expressa no respectivo estabelecimento de finanças públicas?


13. Quantas iniciativas surgiram, desde 1998, da parte dos defensores da liberalização do aborto, no sentido de apoiar as grávidas em risco? Que proposta têm, para além de liberalizar o aborto?


14. Por que será que a comunicação social não fala, nunca, nunca, nunca, de todas as associações que apoiam as grávidas, por esse país fora?


****************************************

publicado por adavviseu às 21:51

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

.subscrever feeds