.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. 11 de Fevereiro - Dois an...

. SEMANA DA VIDA

. ADAV-VISEU … UM NOVO FÔLE...

. Feliz 2008... em favor da...

. Vidas abortadas legalment...

. MADELEINE

. 2007, Maio, 6 - Dia da Mã...

. Vamos caminhar pela vida!

. Dia Internacional da Mulh...

. A REN e os resultados do ...

.arquivos

. Fevereiro 2009

. Maio 2008

. Janeiro 2008

. Agosto 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

O seu nome / e-mail:
Comentários / Perguntas:

Como encontrou este blog?
Gostou deste blog?
Sim Não
meet singles contador usuarios online Salud sites

.Consigo, já são...

Free Cell Phones
Las Vegas Condos
blogs SAPO

.links

Terça-feira, 9 de Maio de 2006

O gato e o guarda-chuva

Há pessoas que teimam em levar periodicamente aos parlamentos a questão da despenalização do aborto.

No nosso país - apesar de ainda recentemente, em referendo, a população se ter manifestado contrária ao alargamento do prazo em que os autores do aborto não são penalizados pela lei - já se vai falando em mais uma investida dos interesses pró-abortistas.

Um dos processos do raciocínio, velho como o homem, diz-nos que a realidade das coisas não admite contradição: uma coisa é o que é e não outra coisa qualquer. Por outras palavras, um gato não pode ser um gato e ao mesmo tempo um guarda-chuva: ou é um gato ou é um guarda-chuva.

Portanto, a questão do aborto só admite duas possibilidades.

A primeira é a de que o feto é realmente um ser humano - pequeno e indefeso - que está numa fase de desenvolvimento no ventre de uma mulher. Se assim for, o aborto é talvez o maior dos crimes, a acção mais horrível e monstruosa que os homens podem cometer. E os milhões de abortos cometidos anualmente no mundo constituem o mais sangrento holocausto da História: qualquer coisa tão macabra e ignóbil que de nenhuma forma pode ser admitida por uma pessoa de bem.

A segunda possibilidade é a de que o feto não é uma fase do desenvolvimento do ser humano, mas é qualquer outra coisa. Por exemplo, como dizem alguns, uma parte anómala do corpo da mulher, uma espécie de tumor. Neste caso, pode ser eliminado em qualquer altura, sem que se perceba muito bem por que razão deve a lei meter-se no assunto.

Segundo o tal velho princípio, a realidade não permite que aquilo que está no ventre da mulher seja um bebé no caso de os pais quererem a criança, e não passe de "um tumor" se os pais resolverem não receber a criança.

Um dia, a mulher diz ao marido: Estou grávida; vamos ter uma criança. No dia seguinte resolvem que não querem ter o filho, e a mulher dirige-se a um abortista para que lhe retire um "tumor" do corpo. De um dia para o outro "aquilo" passou de criança a tumor... Então isto pode ser assim?

Aquilo que a mulher traz dentro de si é uma realidade objectiva: os interesses do casal, ou de quem quer que seja, não pode mudar a realidade daquele ser.

Ou é um bebé ou não é um bebé.

Ora acontece que a ciência nos diz que "aquilo" é um ser humano em desenvolvimento dentro da mãe. Assim aprendem os nossos filhos na escola. De resto, também não era preciso que a ciência falasse: qualquer um vê que se um bebé, ao sair da barriga da mãe, é um bebé, não pode ser outra coisa antes de sair da barriga da mãe. Será mais pequeno, mas os bebés - por serem homens - também não se medem aos palmos...

Depois de assim usarmos o raciocínio - começamos por nos ofender a nós mesmos se procedermos como seres irracionais - resta-nos aplicar aquela expressão, rude mas bela, que o nosso povo conservou: chamar os bois pelos nomes; chamar ao aborto "horroroso homicídio".

E, depois, actuar de acordo com isso.

Paulo Geraldo

(Retirado da Pagina Aldeia : http://aborto.no.sapo.pt/ sob autorização do autor)

 

publicado por adavviseu às 22:44

link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Agência Ecclesia a 16 de Maio de 2006 às 22:21
Bispos italianos defendem direito a intervir na vida pública

.
A Conferência Episcopal Italiana (CEI) defendeu ontem o seu direito a intervir na discussão pública de questões como o aborto, a eutanásia ou as uniões homossexuais, apesar dessas posições serem “muitas vezes mal toleradas”.
No início da 56ª assembleia plenária do organismo episcopal, o Cardeal Camillo Ruini, presidente da CEI, negou que as intervenções dos Bispos sejam uma “intromissão indevida na liberdade de consciência das pessoas e nas leis autónomas do Estado”.
Citando Bento XVI, o Cardeal Ruini disse que há “princípios não negociáveis” por causa do seu intrínseco valor ético. No caso do aborto, por exemplo, o presidente da CEI diz que não há “nenhuma circunstância” que o possa justificar, o mesmo acontecendo com o reconhecimento jurídico de outras uniões que não o matrimónio.
A contestação a estas posições dos Bispos italianos, disse o Cardeal Ruini, “tem favorecido, involuntariamente, o crescimento, em estratos cada vez maiores do povo italiano, uma mais precisa consciência de alguns valores essenciais e da necessidade de defendê-los, tendo em vista o bem comum”.

Comentar post

.subscrever feeds